DIREITOS AUTORAIS

Algumas imagens que aparecem no blog são retiradas de sites externos. Se você possui os direitos de alguma dela e não quer que apareça neste blog, favor entre em contato, que prontamente será retirada. (Brena Braz)

segunda-feira, 15 de abril de 2013

III TURMA DE ARTES CÊNICAS DA UFGD ENCENA SETSUAN SOB A DIREÇÃO DE GIL ESPER


DOURADOS/MS: Nos dias 17 e 18 de abril, a III turma de Artes Cênicas vai encenar a peça “A Alma Boa de Setsuan”, uma obra de Bertold Brecht, sob direção de Gil Esper. A apresentação será às 20h, no Núcleo de Artes Cênicas da UFGD, na unidade 2, mais conhecida como Caixa Preta. A entrada é de graça e livre para todos os públicos.

A montagem da peça faz parte do projeto “Encenação”, conhecida dentro da sociedade acadêmica de “Projetão”, que consiste em levar ao palco todos os alunos do quarto semestre para vivenciar o fazer teatro. Em sua concepção inclui a produção, cenografia, iluminação, sonoplastia, figurino etc. Juntamente com as demais disciplinas que se envolvem para compor este processo de montagem.

De acordo com o acadêmico Danilo Raldi, o texto foi escolhido pelo coletivo dentre diversas propostas. E sendo Bertolt Brecht um dos maiores dramaturgos e teóricos da história do teatro, optou-se pela “A Alma Boa de Setsuan", considerado um dos textos mais famosos do autor.

Danilo vai além, “o público pode esperar uma história encantadora, com uma estética apurada em que nos faz parar, pensar e refletir sobre os acontecimentos diante de uma sociedade julgadora. A plateia verá as referências pesquisadas no coletivo, na direção, na trilha criada e composta para a apresentação”.

Para Cesar Rodrigues, ansiedade é a palavra que define o estado de espírito dele, “é a primeira vez que a turma inteira se une em prol de uma causa. Estamos conhecendo o trabalho de cada um, produzindo e experimentando juntos pela primeira vez”, disse ele.

A encenação do espetáculo, é também a despedida da turma. A partir do quinto semestre os acadêmicos terão que optar em bacharel ou licenciatura. “O processo, bem como o resultado, representa o ‘fim’ de um ciclo, afirma Cesar. 

Já para Raique Moura, ter a oportunidade de montar um espetáculo dessa magnitude traz mais responsabilidades. “Para mim e pra todo elenco é um grande aprendizado, pois envolve pesquisa do começo até o momento da encenação. Espero que o resultado agrade a todos”.

O Acadêmico, Ademir Martins, não vê a hora do especulo começar. “Nos corredores da faculdade o que se fala é sobre a peça e isso me deixou muito curioso. Acredito que será algo com uma visão diferente daquilo que estou acostumado a assistir. Esperar para ser surpreendido mais uma vez”, afirma o Ademir.

Para promover o espetáculo a turma do Site Fora do Ar criou um trailer do espetáculo, cujos moderadores também fazem parte do elenco. Veja em:
video



DO ESPETÁCULO

Em seu texto, Brecht nos faz pensar em como as almas boas são raras, em como o mundo precisa delas e, principalmente, em como elas inevitavelmente sofrem por serem boas demais. Isto porque o mundo que as rodeia, na maioria das vezes, é mau, interesseiro, mesquinho ou simplório e invisível demais para ser notado. Apesar do pessimismo e da precariedade do caráter humano, Brecht nos mostra que as almas boas são de extrema importância e que, mesmo que o caminho seja difícil, o mundo, mesmo sem saber valorizá-las e reconhecê-las, precisa delas, assim como elas precisam do mundo. Brecht ainda nos mostra que é preciso encontrar um caminho nesta selva de famintos, nas quais fomos simplesmente despejados, que não devemos desistir e que ser bom (apesar de tudo nos levar a crer que essa é uma característica que não tende a compensar) é o que de melhor podemos fazer a nós mesmos e à nossa consciência. Afinal, assim como a arte não existe sem paixão, tampouco a vida respira sem uma simples fresta de bondade, por mais cansada e desiludida que esta esteja. É por essa fresta que entra luz, a verdadeira luz de um belo espetáculo, como é o teatro de Brecht! Como dizem as últimas palavras de A Alma Boa de Setsuan: “Deve haver uma saída. Tem de haver”!

DO SERVIÇO:

QUANDO: 17 e 18 de abril
ONDE: Núcleo de Artes Cênicas da UFGD – unidade 2 – Caixa Preta
HORÁRIO: 20H
CLASSIFICAÇÃO: Livre



Redação: Gesse André

Revisora: Renata Vargas

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Este blog é exclusivo para troca de ideias e só você é o responsável pelos comentários postados!