DIREITOS AUTORAIS

Algumas imagens que aparecem no blog são retiradas de sites externos. Se você possui os direitos de alguma dela e não quer que apareça neste blog, favor entre em contato, que prontamente será retirada. (Brena Braz)

sexta-feira, 27 de dezembro de 2013

DICAS DE LIVROS ESSENCIAIS PARA O ATOR 02

POR: Braz Junior


DOURADOS/MS: Na sequência de “livros essenciais que todo ator deve ler”, segue sugestão do Professor Braz que diz que: “o Manual Mínimo do Ator de Dario Fo é um grande livro que todos os que trabalham com teatro precisam conhecer”.

Imagem da Internet

SINOPSE


Manual Mínimo do Ator de Dario Fo, Prêmio Nobel da Literatura de 1997, é um livro indispensável e uma referência necessária para todos os que se interessam por conhecer técnicas da arte teatral, mais especificamente do teatro popular, que conseguem sensibilizar o espectador e motivá-lo a ficar atento à sequência da narrativa dramática.

O livro está em sua 4ª edição e contém 384 páginas.


ONDE ENCONTRAR



Este blog tem  dicas de livros interessantes para leitura:


SOBRE DARIO FO


PRÉMIO NOBEL DA LITERATURA 1997

Escritor italiano nascido a 24 de março de 1926, na aldeia de San Giano, na Lombardia. Filho de um chefe de estação de caminho de ferro, ator amador e homem de fortes convicções socialistas, deambulou com o resto da família um pouco por todo o Norte de Itália, consoante as obrigações profissionais do seu progenitor.

Enquanto criança passava os verões na pequena quinta do avô materno, com quem se deixou fascinar pela imaginação criativa... Em 1951 conheceu Franca Rame, descendente de uma longa linhagem de atores, com que se veio a casar em 1954 e que se tornou na sua valiosíssima assistente. Nesse mesmo ano estreou a sua primeira peça, o monólogo Poer Nano (1951) que, embora tendo um sucesso bastante modesto, foi radiodifundida em dezoito episódios, concedendo a Fo uma certa notoriedade. 

Em 1959, e depois de uma extensa contribuição para o teatro de revista, fundou, juntamente com a sua esposa, uma companhia de teatro de nome Fo-Rame. No ano seguinte arrebatou um sucesso a nível internacional ao levar à cena a peça Gli Arcangeli Non Giocano A Flipper, drama satírico que conta a história de um larápio que sonha com uma perda de identidade.

Acreditando na ideia de que o teatro era um veículo de ideais políticos, estreou La Signorina È Da Buttare (1967), peça que aborda temas como o da Guerra do Vietname e do assassinato de John Kennedy. Apesar de ter fundado outra companhia em 1968, a Nuova Scena, com ligações ao Partido Comunista Italiano, Fo encerrou-a em 1970 e desligou-se desse organismo político.

Em 1969 foi à vez de Mistero Buffo, uma colagem de monólogos medievais com trechos da sua autoria. Apresentada na RAI em 1977, foi considerada pela Igreja Católica como a obra mais blasfema da história da televisão.

Uma das suas obras mais conhecidas, Morte Accidentale Di Un Anarchico foi estreada em 1970. A peça conta a história de um ativista político que foi assassinado pela polícia. Fo gerou também grande controvérsia com Non Si Paga, Non Si Paga! (1974), em que o povo decide de deixar de pagar impostos como forma de protesto contra a corrupção que os desvia. Galardoado com o Prêmio Nobel da Literatura em 1997, Dario Fo dedicou-se também à encenação de óperas de Rossini.

In Infopédia . Porto: Porto Editora, 2003-2011.


2 comentários:

  1. Olá, acabo de visitar seu blog e segui-lo. Lhe desejo foco, sucesso e força. Que conquiste muitas realizações através do mesmo. E também convido você e seus/suas leitores/leitoras a conhecer o meu blog: toobege.blogspot.com.br . Beijinhos e espero você lá também *0*

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Linda Mariana, obrigado pelas palavras... como você deve ter percebido, estou focando nos temas sobre teatro, cinema e TV. Já estou seguindo e compartilhando seus post. Um forte abraço e bjs que seu 2014 seja repleto de realizações.

      Excluir

Este blog é exclusivo para troca de ideias e só você é o responsável pelos comentários postados!